Imprimir

LEXTERM

CENTRO DE ESTUDOS LEXICAIS E TERMINOLÓGICOS

- CENTRO LEXTERM -

 

Responsável: Profa. Dra. Enilde Faulstich

 

I. Definição

O Centro de Estudos Lexicais e Terminológicos - Centro Lexterm - do Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas (LIP), da Universidade de Brasília, é um organismo dedicado à pesquisa científica e técnica e à formação de pós-graduados, tal como prevê o Regulamento.

Os Estudos Lexicais e Terminológicos dedicam-se às atividades científicas e profissionais dirigidas à resolução de problemas linguísticos e de comunicação e também ao atendimento de necessidades Linguísticas de organismos e de instituições. Com este propósito, o Centro Lexterm trabalha em pesquisa fundamental e na constituição de instrumentos e de recursos relacionados com as aplicações da linguagem.

O Centro de Estudos Lexicais e Terminológicos - Centro Lexterm - é um organismo sem fins lucrativos que faz parte do LIP. Participam das atividades do Centro professores, estudantes de pós-graduação, profissionais de pesquisa e estudantes de iniciação científica. A meta do Centro Lexterm é o desenvolvimento de novas ideias e a difusão desses conhecimentos na Língua Portuguesa, e em outras línguas quando couber, nas áreas de Lexicologia, de Lexicografia, Terminologia, Variação Lexical e Terminológica, Engenharia Linguística e automação de dados,  numa perspectiva de Política de difusão de línguas. 

 

II. Objetivos

São objetivos do Centro Lexterm:

1. Desenvolver, de maneira prioritária, pesquisas de léxico e terminologia, com base em corpora, por meio de descrição sistemática dos usos do português do Brasil, na modalidade escrita e na modalidade oral;

2.    Aplicar métodos eficazes para os fins de: i) redação de repertórios lexicográficos e terminológicos, tais como, dicionários, glossários, vocabulários etc.; ii) ensino do vocabulário de corpora textuais das obras especializadas dos diversos ramos da ciência e da tecnologia; iii) descrição do português como língua segunda ao lado das outras línguas para fins de difusão.

3. Desenvolver pesquisas sobre o estatuto político das línguas, para ampliar conhecimentos relacionados com: i) definição do espaço da língua portuguesa no cenário internacional; ii) análise da difusão das línguas neolatinas no mundo; iii) estruturação de quadros político-linguísticos para difusão do português sul-americano nos países do Mercosul.

4. Difundir os trabalhos de pesquisa, por meio de publicações; de participação em eventos científicos; de programas de ensino; da organização de cursos, encontros, colóquios etc.

5. Formar pesquisadores i) pela sistemática do trabalho de investigação em documentação apropriada; ii) pela integração a equipes de pesquisa.

6. Colaborar com outros centros, com universidades e com instituições não-universitárias:  i) por acordos inter-universitários; ii) pela acolhida de estagiários; iii) por assessorias e consultorias sobre temas pontuais; iv) por trabalhos realizados conjuntamente.

           

III. O que se faz

A Linha de Pesquisa Léxico e Terminologia, inscrita no Programa de Pós-Graduação em Linguística, converge os estudos para abordagens  funcionalistas nas pesquisas do léxico, da terminologia e da variação em terminologia; também tem em vista estudos cognitivistas.  A Linha é dinâmica e atualizada. O Centro oferece condições de pesquisa para a produção de dissertações, de teses e de monografias de iniciação científica. Diversos artigos têm origem nas discussões científicas dos pesquisadores do Centro Lexterm e estão publicados em revistas nacionais e internacionais; cursos, nas áreas de estudos do Centro, têm sido ministrados em universidades brasileiras e estrangeiras.

 

IV. A produção científica disponível

  Dissertação de mestrado: PPGL/LIP/UnB,na ordem decrescente do ano de defesa

1. Carolina Ferreira Pego. Sinais não-manuais gramaticais da LSB nos traços morfológicos e lexicais. Um estudo do morfema-boca. 2013. Orientadora: Enilde Faulstich.
2. Charley Pereira Soares. Demonstração da ambiguidade de itens lexicais na LSB: um estudo sincrônico dehomonímia.  2013. CAPES. Orientador: Enilde Faulstich.

3. Rejane Louredo Barros. Política linguística: a terminologia da Libras como veículo de cultura em concursos públicos. 2013. Orientadora: Enilde Faulstich.

4. José Ednilson Gomes de Souza Júnior. Nomeação de lugares na Língua de Sinais Brasileira. Uma perspectiva de toponímia por sinais. 2012. Orientadora: Enilde Faulstich.

5. Messias Ramos Costa. Proposta de modelo de enciclopédia visual bilíngue juvenil: ENCICLOLIBRAS. 2012. Orientadora: Enilde Faulstich.

6. Vânia Alves da Silva. A implementação da Lei nº 10693/03: uma análise de política linguística e proposta de planejamento linguístico. 2011. Orientadora: Enilde Faulstich.

7. Gláucio de Castro Júnior. Variação linguística em Língua de Sinais Brasileira - foco no léxico. 2011. CAPES Orientadora: Enilde Faulstich.

8. Cristiane Batista do Nascimento. Empréstimos linguísticos do Português na Língua de Sinais Brasileira (LSB): línguas em contato. 2010. Orientadora: Enilde Faulstich.

9. Marcela Bravo Esteves. Um estudo sobre a equivalência conceitual entre termos do Português do Brasil e do Inglês: aspectos de morfologia lexical e de semântica. 2010. Orientadora:  Enilde Faulstich

10. Michelle Machado de Oliveira. Confluência entre dicionário analógico e tesauro documentário como modelo para um novo dicionário analógico. 2010. CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

11. Giselle Salgado Ferreira Fatureto. Culinária brasileira e portuguesa: itens lexicais em comparação. 2009. CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

12. Flavia de Oliveira Maia Pires. BRASÍLIA EM TERMOS - um estudo lexical do Plano Piloto. 2009. CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

13. Bruna Elisa da Costa. Brasileirismos terminológicos: estado de verbos em ação e processo. 2008. CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

14. Alberto Emerson Werneck Dias. Renovação lexical do Esperanto: mecanismos de formação de neologismos. 2007. Orientadora: Enilde Faulstich.

15. Lou Yan. Dos ideogramas (China) às palavras (Brasil): elaboração do primeiro dicionário básico bilíngüe português-chinês. 2007. CAPES. Orientadora: Enilde Faulstich.

16. Maria Madalena da Silva de Oliveira. O lexical e o simbólico no Livro das Aves. 2006. Orientadora: Enilde Faulstich.

17. Luiz Henrique Santana Neves. Uma análise léxico-terminológica dos predicados complexos no português: as construções com verbo-suporte na área de informática. 2006. Orientadora: Enilde Faulstich.

18. Luciana Ferreira Pinto da Silva. Estudo crítico da representação visual do léxico em dicionários infantis ilustrados. 2006. Orientadora: Enilde Faulstich.

19. Elzamária Araújo Carvalho. Colocações conceituais e lexicais em Linguagens de Especialidade. 2005. CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

20. Cristiane Oliveira Santos. A desambiguação do item lexical polissêmico levar. 2005. CAPES. Orientadora: Enilde Faulstich.

21. Fernanda Damiani Costa. Metáfora e formativos terminológicos: uma aplicação na linguagem de especialidade da Engenharia Elétrica. 2005. Orientadora: Enilde Faulstich.

22. Estácio Valentim Carlos. Formação dos termos complexos na linguagem da Psicanálise ortodoxa. 2005. Orientadora: Enilde Faulstich.

23. Janaina Thaines Moreira Damian. Uma visão lexicográfica de brasileirismos. 2005. CAPES. Orientadora: Enilde Faulstich.

24. Marlene de Brito Kling Almeida. O léxico da língua Terena. Proposta de um dicionário infantil. 2005. Orientadora: Enilde Faulstich.

25. Cleide Lemes da Silva Cruz. Estudo da terminologia das fibras e tecidos na área têxtil. 2005. Orientadora: Enilde Faulstich.

26. Fernanda Carolina Moreira Carvalho Paiva. Categorias co-textuais em terminologia jurídica: um estudo da ordem e fas funções. 2004. Orientadora: Enilde Faulstich.

27. Regina Maria Furquim Freire da Silva. Terminologização e lexicalização: proporcionalidade e divergências. 2003. CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

28. Elisabeth Alves. Uma perspectiva léxico-funcional de cristalização e variação nos fraseologismos verbais. A linguagem de especialidade 'economia/negócios/finanças'. 2002. CAPES. Orientadora: Enilde Faulstich.

29. Maria Catharina Pires de Mello. Da sincronia para a diacronia: a relação termo-conceito em movimento. 2001. Orientadora: Enilde Faulstich.

30. Maria do Rosário Loiola do Nascimento. Definição: paráfrase ou perífrase? Análise da estrutura de definições nos dicionários. 2001. Orientadora: Enilde Faulstich.

31. Maria Francisca Amorim Oliveira. O tratamento da sinonímia no dicionário escolar. 2001. Orientadora: Enilde Faulstich.

32. Inêz Gomes Guedes. Estudo da valência de alguns verbos da culinária arcaica. 2001. CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

33. Sandra Lúcia Rodrigues da Rocha. De uma proposta funcionalista do léxico à aplicação lexicográfica. 2000. Orientadora: Enilde Faulstich.

34. Patricia Vieira Nunes. Princípio icônico e aspectos lexicográficos na língua mundurukú. 2000. Orientadora: Enilde Faulstich.

35. Ana Maria Brandão Cavalcanti. Proposta de elaboração de microestrutura para dicionários billingues português-inglês para tradutores. 2000. Orientadora: Enilde Faulstich.

36. Flávia Cristina Cruz Lamberti. Empréstimos lingüísticos no Português do Brasil: uma interpretação variacionista. 1999. Orientadora: Enilde Faulstich.

37. René Strehler. Análise de categorias de marcas de uso em dicionários. 1997. Orientadora: Enilde Faulstich.

38. João Dino F. P. dos Santos. Normalização de empréstimos lingüísticos. 1992. Orientadora: Enilde Faulstich.

 

Tese de doutorado:PPGL/LIP/UnB

1. Maria Madalena da Silva de Oliveira. Uma análise léxico-terminológica de nomes comerciais no domínio dos medicamentos. 2013. Orientadora: Enilde Faulstich.

2.Alessandra de Souza Santos. Multilinguismo em Bonfim/RR: o ensino da Língua Portuguesa no contexto da diversidade linguística. 2012. CAPES. Orientadora: Enilde Faulstich.

3. Sandra Patricia de Faria. Representações Lexicais da Língua de Sinais Brasileira. Uma proposta Lexicográfica. 2009. CAPES Orientadora: Enilde Faulstich.

4. Patricia Vieira Nunes Gomes. O processo de aquisição lexical na infância e a metalexicografia do dicionário escolar. 2007. Orientadora: Enilde Faulstich.

5. Mary Lourdes de Oliveira Angotti. Equivalência conceitual na terminologia dos textos de bulas de medicamentos. 2007. CAPES. Orientadora: Enilde Faulstich.

6. Elisabeth Alves. Categorias lexicais e funções na linguagem de especialidade da Economia. 2006. CAPES. Orientadora: Enilde Faulstich.

7.  Flávia Cristina Cruz Lamberti Arraes. Empréstimos linguísticos do inglês, com formativos latinos, adotados pelo português do Brasil. 2006. CAPES. Orientadora: Enilde Faulstich.

8. Marisa Brascher. Tratamento automático de ambigüidades na recuperação da informação. 1999. Doutorado em Ciência da Informação. CAPES. Orientadora: Enilde Faulstich.

9. Lígia Maria Café de Miranda. La description et l'analyse des unités terminologiques complexes en langue portugaise (variété brésilienne): une contribution à l'automatisation de la banque de données terminologique du Brésil (BRASILTERM). 1999.  (Doutorado em Lingüística - Université Laval. CNPq Co-orientadora: Enilde Faulstich.


Supervisão de pós-doutorado: PPGL/LIP/UnB

Manoel Sarmento. 2004. Por uma ecolexicografia. Universidade de Brasília. Supervisora: Enilde Faulstich.

Doutorado sanduíche: PPGL/LIP/UnB

Julie Pelletier. Dégager les cas de variation conceptuelle et / ou de polysémie et en identifier les types et les causes : proposition d un modèle d analyse des variantes conceptuelles et / ou des polysèmes. 2007. Orientadora na UnB/Brasil: Enilde Faulstich. Doctorat en Linguistique - Université Laval. Defesa 2011

 

Trabalho de conclusão de curso de graduação: LIP/UnB

1. Natalia Stanzioni Cabezas Enciso. Educação linguística pelos jesuítas: implementação econômica ou dominação ideológica? 2009. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Licenciatura em Língua Portuguesa e respectiva Lit) - Orientadora: Enilde Faulstich.

2. Ligia Carolina Santana Catunda. Ensino de Português do Brasil para falantes do caboverdiano. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Licenciatura em Português do Brasil como segunda Língua) Orientadora: Enilde Faulstich.

3. Rondinelly Silva Ferreira. Ensino de Português do Brasil para falantes do caboverdiano. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Português do Brasil como Segunda Língua) Orientadora: Enilde Faulstich.

 

Iniciação científica: PPGL/LIP/UnB

1.    Laíza Cristina Ribeiro Sena. Glossário de termos da bicicleta. 2013, em andamento.  (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

2.    Gláucio de Castro Júnior. Variações regionais na Língua de Sinais Brasileira: interiorizando a prática educativa. 2008. (Graduando em Letras Libras). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

3. Gláucio de Castro Júnior. Psicobiologia na sala de aula: uma mediação no ensino de Português para surdos. 2007. (Graduando em Letras Libras). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

4. Michelle Machado de Oliveira. Política linguística: formação histórica e influência do português do Brasil no mundo atual. 2006. (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua) CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

5. Flavia de Oliveira Maia Pires. Aquisição do léxico na aprendizagem do português como segunda língua. 2006. (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

6. Bruna Elisa Costa. Elaboração de um dicionário de brasileirismos terminológicos. 2006. (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua). Orientadora: Enilde Faulstich.

7. Aline Simo Ferreira. Elaboração de material didático multimídia para ensino de português aos angolanos mutilados de guerra. Elaboração videográfica de material didático para uso da oralidade. 2005. (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua) CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

8. Eliani de Moraes. Elaboração de material didático para angolanos mutilados de guerra. Elaboração fonográfica de material didático para uso da oralidade. Ensino médio. 2005. (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua) CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

9. Eliani de Moraes. Proficiência em língua portuguesa para inserção de angolanos mutilados de guerra no mercado de trabalho. Registro fonográfico de diálogos recolhidos em ambientes profissionais. Ensino médio. 2004. (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

10. Aline Simo Ferreira. Proficiência em língua portuguesa para inserção de angolanos mutilados de guerra no mercado de trabalho. Registro videográfico de situações de diálogo que se desenrolam em ambiente de trabalho. Ensino fundamental. 2004. Iniciação Científica. (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua).CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

11. Elzamária Araújo Carvalho. Inclusão de termos do português do Brasil da área de informática na base de dados do Banque terminologique du Québec (BTQ). 2002. Iniciação Científica. (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

12. Cristiane Oliveira Santos. Inclusão de termos do português do Brasil, da área de biotecnologia, na base de dados do Banque Terminologique du Québec (BTQ). 2002. (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

13. Elzamária Araújo Carvalho. Dicionário monolíngüe Português com equivalentes em Francês. Ensino Médio. 2002. (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

14. Cristiane Oliveira Santos. Dicionário monolíngue Português com equivalentes em Francês. Ensino Fundamental. 2002. (Graduanda em Português do Brasil como Segunda Língua).CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

16. Cristiane Oliveira Santos. Análise conceitual de termos de comercio exterior para inserção em campos temáticos transitivos. 2000. (Graduanda em Português do Brasil como segunda Língua). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

17. Elzamária Araújo Carvalho. Informatização de dados do dicionário multilíngue de termos técnicos de comércio exterior. 2000. (Graduanda em Português do Brasil como segunda Língua). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

18. Andréia Barbosa Mendes. Política de idiomas: o contato português-espanhol. 1999. (Graduanda em Licenciatura em Língua Portuguesa e Respectiva Lit).CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

19. Izabel Oliveira. O pensamento linguístico do Brasil, segundo uma abordagem de política do idioma. 1999. (Graduanda em Licenciatura em Língua Portuguesa e Respectiva Lit).CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

20. Malamine Saloum Sadio. L'imagerie français - mandinga - portugais. 1998. (Graduando em Letras Tradução. Orientadora: Enilde Faulstich.

21. Malamine Saloum Sadio. Elaboração de um dicionário bilíngüe português-mandinga, mandinga-português. 1997. (Graduando em Letras Tradução. CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

22. Ana Maria Brandão Cavalcanti. Elaboração de um léxico multilíngue de frutas - frutalex. 1997. (Graduando em Letras Tradução). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.

23. Malamine Saloum Sadio. Elaboração de um léxico bilíngue português-mandinga, mandinga-português. 1996. (Graduando em Letras Tradução). CNPq. Orientadora: Enilde Faulstich.